segunda-feira, 7 de junho de 2010

morta em metade!

Metade de mim morreu.
A outra metade ainda está viva e bate por ti.
Os meus olhos estão bem abertos, mas é apenas por causa dos químicos. As drogas é que me têm deixado em pé.

Os meus lábios têm tanta sede. Os meus lábios têm saudade. Os meus lábios têm dor escondida.
A minha pele está limpa, mas os poros escondem a raiva, o ódio que sinto.

O meu cabelo perdeu a força. Está estragado, sujo. Por mais que o lave e que o torne bonito, perdeu o seu jeito normal.

Estou a morrer aos poucos! Preciso de força, de ajuda, de segurança. Não quero pensar se estás com outra ou não; quero pensar em sair deste lugar, mas também sei que não é vida ficar aqui.

Preciso que me levantem, que me ajudem. Ajudem-me!
Foste embora, não te quero mais aqui, não quero sequer saber nada sobre ti.
Se eu morrer, lembra-te morres comigo, morre tudo comigo.
Se eu morrer, morremos nós, morre para sempre tudo o que alguma vez nos juntou!

2 comentários:

  1. Infelizmente ninguém pode lutar por ti, ou experimentar esses sentimentos que agora experimentas.

    Mas a verdade é que, no fundo, a nossa força é muito, muito maior do que a dor ou tristeza que nos consome.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire