sexta-feira, 30 de julho de 2010

vou morrer de saudades suas, amigo!




Hoje é um dia triste para mim. É com uma profunda tristeza que mal acordei recebi a noticia da morte do meu grande actor, António Feio!
Ó como a vida é ingrata! Quando aqueles que deviam ficar aqui a vida inteira são os primeiros a ir embora. O que mais me custa é que sei que ele deu tudo por tudo, luto contra o "bicho" e no fim e contas nada! Mas também sei que a luta não foi inglória e que tudo o que aconteceu foi um enorme esforço.
É um grande homem, um grande ser, uma das pessoas mais bonitas com quem tive oportunidade de estar e falar. Um homem que não tinha nada de feio, apenas o seu apelido!
Vou morrer de saudades de todo o humor, do humor negro e de todas as respostas inteligentes, da vida, da pessoa, do sorriso, do olhar fundo e sincero.
Mas de uma coisa eu tenho a certeza, não é um adeus, é um até já ANTÓNIO FEIO ♥


Ficam aqui dois exemplos de um grande exemplo e acima de tudo de uma grande lição de vida!



Vejam este filme, vão adorar!



Ouçam as palavras todas, entendam e aprendam a ser pessoas melhores!
(a entrevista passará logo à noite, na SIC, depois do jornal da noite.)

12 comentários:

  1. pois foi...
    é o melhor de todos!

    ResponderEliminar
  2. tens toda a razão, foi uma pessoa grande e lutadora! é com muita pena que o vemos partir *

    ResponderEliminar
  3. por e-mail (miniborboleta@gmail.com), ou se preferires por msn, posso dar-te o meu e-mail. :)

    ResponderEliminar
  4. é mesmo um grande actor, um dos melhores! Tem uma alma incrivel(:

    ResponderEliminar
  5. Sempre será relembrado. Ele é e sempre foi o maior ! Um verdadeiro Homem ! *

    ResponderEliminar
  6. esse senhor será sempre fantástico <3

    ResponderEliminar
  7. Será sempre um exemplo de pessoa!

    ResponderEliminar
  8. para sempre antónio, serás sempre um exemplo a seguir <3

    ResponderEliminar
  9. minha querida, tem um desafio para ti no meu blogue *.*

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire