quarta-feira, 11 de agosto de 2010

a culpa é tua, toda tua!




os dias estão complicados meu amor! e a culpa é toda minha. sim, minha!
eu é que achei que sabia esperar e que ia conseguir habituar-me à ideia de que estás com outro e que depois voltarias para mim. que burra que eu sou, que louca que fui! queria muito voltar uns bons anos atrás, ter feito tudo no momento certo e agora não estar a sentir uma dorme que não me deixa respirar.
criei na nossa história um fantasma do tamanho do mundo, daqueles que não se vão embora nem por nada e isso só me tem feito mal. queria tanto mata-lo, queria tanto matar tudo o que existe do passado. ai, quem me dera ser mais forte que isto tudo, ser mais forte que eu mesma e que todos os males que o mundo deixa chegar até mim.
estou perdida! e isto tudo por culpa tua. sim, tu também tens culpa nisto. sempre deixaste andar, sempre gostaste por gostar e isso sempre me deixou com dúvidas. mas também quem é que me mandou a mim não fazer as coisas no tempo certo? quem?
acho que já não sei nada! não sei se quero esperar por ti e por esta maldita história que parece nunca mais chegar, não sei se o que sentes por mim vai ou não ser diferente, eu não sei nada.. nada de nada! e a culpa é tua! é toda tua. e digo-te isto com as lágrimas nos olhos e com o coração a partir de tanta dor!
matas-te todas as pontes onde eu me agarrava e agora eu fiquei assim, só e perdida.
mas a culpa é tua! toda tua meu amor. e o que mais me irrita é que mesmo tendo a certeza disso amo-te loucamente como se fosses o único homem da terra!

8 comentários:

  1. é tão bom quando se ama assim meu bem <3

    ResponderEliminar
  2. FORÇA, MUITA FORÇA * escolhe sempre a escolha certa, escolhe o que o coração diz.

    obrigada *

    ResponderEliminar
  3. não tens que agradeçer <3

    ResponderEliminar
  4. óh, que bonito :'
    força :x
    e muito obrigada :')

    ResponderEliminar
  5. Acredita que sim querida (:

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire