sexta-feira, 9 de abril de 2010

quero paz!



hoje eu queria dizer-te muitas coisas. coisas que ficaram presas num foco de luz do passado, coisas que eu nem sei bem porquê que não foram ditas no seu momento, coisas que eu sei que devia ter dito e não disse, coisas minhas, coisas do nosso amor, coisas que nos dizem respeito a nós!
não sei como te dizer, aliás, nem sei bem quais serão as melhores palavras.. ok, é melhor dizer como sinto e desde já as minhas desculpas por alguma coisa que diga e que te faça sentir mal.
sempre te disse que queria que fosses sincero acima de tudo, sempre te disse que a verdade era o que eu mais queria e que detestava que não me olhassem nos olhos e vissem o que eu relamente estava a sentir; muito bem, até aí não tenho nada a dizer-te. sempre foste o mehor que já tive e nunca me negaste nada disto, até ao dia D, aquele dia em que quiseste parecer uma coisa que não eras, em que quiseste mostrar aos teus amigos que eu era só mais uma da tua lista e que não prestava para nada. ainda bem que não estava lá, ainda bem que nem sequer vi este momento e que não senti nojo de ti na hora.. tenho a certeza, seria pior do que agora, muito pior!
talvez esteja errada, é verdade. talvez me fosse melhor saber e ouvir isto por ti do que saber por outros o que dizes de mim.. mas se eu ouvisse tudo o que dizes de mim quando eu não estou por perto sentiria vontade de te matar com o olhar, de te transportar para outro lugar, teria vontade de te fazer sentir a pior coisa do mundo.
eu tenho uma dúvida: porquê que és tão cobarde? - vá, não penses tanto. eu tenho a resposta, não preciso de a ouvir da tua boca. mais uma vez não preciso de nada que venha da tua boca! dela só tenho nojo.
posso não ser o ideal, posso não ser tudo o que queres, tudo o que te faz mais feliz e até posso não ser assim tão importante para ti.. mas se assim não é, porquê que fizeste os meus olhos brilharem? porquê que me usaste como tua musa inspiradora e conseguiste transportar todas as minhas sensações e sentimentos na tua objectiva? porquê que me amas-te desesperadamente em todas as noites? porquê que me fizeste sentir especial e única em todos os momentos? porquê que me deste tudo quando estavamos só os dois?

olha-me nos olhos, olha para os meus olhos brilhantes e para a luz que se arrasta no fundo e diz-me sinceramente: eu merecia tudo o que fizeste?
mais uma vez, não precisas de me responder, eu já sei a resposta ~


P.S - Estou completamente desolada, perdi as forças e já nem sequer consigo respirar.
Vai embora, eu tenho nojo de ti, eu não te quero ver mais.
Vai embora, eu preciso de recuperar, longe, vem longe de ti!

2 comentários:

  1. Bem, se eu fosse ao calendário e escolhesse um dia (podia ser o dia D), podia perfeitamente transcrever este texto e ele poderia perfeitamente (ainda que nem todo, [o texto]) falar por mim!
    Boa lá love!
    Beijocas

    ResponderEliminar
  2. ahah, eles são escritores excelentes +.+
    eu também estou a adorar os Maias :p

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire