domingo, 22 de agosto de 2010

nem mais nem menos!


Queria muito encontrar-te! Agora mais do que nunca queria encontrar-te nas minhas procuras no meio do nada e ver-te ali, ao fundo do meu olhar à minha espera. Pronto a abraçar-me e a dizer que queres ficar comigo para sempre.
Mas isso nunca mais acontece. E eu passo os dias a perguntar-me "porquê?". Porquê que andas tão longe, porquê que nunca vens, porquê que não me escolhes como a tua casa, porquê que não és meu, porquê que não vives aqui no meu coração, porquê que não queres o meu amor, porquê que não queres ser meu? Porquê?
E passo dias, meses, anos e vidas com estas perguntas que me levam ao desespero total! E sabes que mais estou tão cansada delas. Estou cansada das perguntas e da longa e dolorosa espera.
Mas não posso fazer nada não é?
Tenho apenas de ficar à tua espera, à espera de quem já devia ter chegado à mais tempo, de quem já devia cá estar!
Sabes uma coisa? Vou esperar! Vou esperar que deixes de ser apenas fruto da minha imaginação e que passes a ser o que espero à séculos e séculos.


P.s.- tens meia hora para mudar a minha vida.

10 comentários:

  1. está lindo meu bem, escreves tão bem e eu não me canso de o dizer!

    ResponderEliminar
  2. Concordo! tu escreves tão bem, o texto está lindo *.*

    ResponderEliminar
  3. Os teus registos são directos, sem rodeios, sem meias palavras. São verdadeiros.
    Louvo a tua honestidade literária :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Encantador blog el tuyo, un placer haberme pasado por tu espacio.

    Saludos y un abrazo.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada querida !
    Adorei este !

    ResponderEliminar
  6. Selo oficial do meu blog, para ti :)

    ResponderEliminar
  7. Não está nada demais querida.
    Coldplay <3

    ResponderEliminar
  8. obrigada meu bem, ainda bem que gostaste :')

    ResponderEliminar
  9. Está lindo *.* E adorei o p.s.!

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire