sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

sem destino


porquê que tens medo do amor? já voltas na minha esfera e não consigo entender que medo é esse que te envolvo num labirinto sem saída. porquê que te recusas a ser feliz quando as oportunidades estão todas à tua frente? é como se o fizesses achar que te andou a colher do lado errado e que apenas fez o que não devia ter feito. já pensaste que este pode ser o amor da tua vida e que tu estás a deitar tudo a perder porque tens medo de dar o tudo por tudo, tens medo de sofrer, tens medo de ser feliz? acho que não aprendeste ainda nada com a vida, não sabes o que é o amor e muito menos sabes o que é que queres para ti.
acredito que possas estar confusa, renitente com alguma situação ou até podes mesmo não saber se este é o passo certo mas acredita que renunciares o que sentes por um medo que não tem sentido nenhum é das piores coisas que já ouvi.
sabes do que devias ter medo? de estares a cometer uma loucura, de não estares a dar uma oportunidade a ti mesma, de não o estares a fazer feliz e de não seres correcta contigo mesma! pergunto-me se serias capaz de fazer tudo por amor, se serias capaz de deixar esse limiares de loucura e ires em frente sem pensar que pode ser um passo em falso. acredito que o amor deve andar a rir-se de ti por o estares a deixar ir embora quando meio mundo anda atrás dele como se a sua vida depende-se do que ele trás consigo.
nunca te disseram isto: "o amor significa pensar mais na felicidade da outra pessoa do que na nossa própria felicidade, não importa quão dolorosa seja a sua escolha!"? se nunca te disseram, digo-te eu. fica aqui para ti, para leres vezes e vezes sem conta e retiras dela o que realmente importa. podes achar que o que estás a fazer é certo mas eu garanto-te que estás a pensar só em ti e no que te dá mais ou menos jeito.
queres um conselho? pára por momentos, ignora tudo o que te possa distrair e fecha os olhos. depois pensa em tudo o que já tiveram, pensa nele e não em ti. peço-te que por uma vez penses nele e que vejas se não merece uma nova oportunidade. todos merecemos, até tu mereces. e se fosse ao contrário gostarias de receber toda a compreensão do mundo. fica de olhos fechados o tempo que for preciso, analise tudo ao pormenor e no fim de tudo, liga-lhe! diz-lhe que queres ficar com ele e que não adiante ignorar isso por mais tempo, que os medos terminaram e que estás preparada para seres feliz e isso só vai acontecer se estiveres ao lado dele. sê directa, clara e simples! não o faças sofrer mais e dá-lhe o que está à espera há muito tempo.
só te peço uma coisa: faz tudo direito, faz com que ele seja feliz, dá-lhe tudo o que tiveres e o que não tiveres. ele merece, ele merece tudo!

28 comentários:

  1. ADOREI cmo sempre querida(:
    agradecia que levasses o género de selo e as perguntinhas pf (da chegada aos 500 seguidores )(:

    ResponderEliminar
  2. Sabes... Talvez no passado cada um de nós deu o tudo por tudo, deu qualquer pedaço que era impossível de ser dado mas que ainda assim o deu com todo o seu amor. Talvez, cada um de nós pegou-se imenso à outra metade e sem querer saber do futuro, sem querer saber do mal em que poderia cair, sem sequer saber da possivel loucura amorosa em que poderia estar, deu, amou, e adorou uma só pessoa do que a outra qualquer. No fim há sempre um choque enorme. E depois, depois de uma força imensa para se poder recuperar, há sempre a insegurança de voltar a fazer toda a mesma "insanidade", entendes? É sempre difícil, árduo e doloroso em termos psicológicos.
    Aprende-se muito com este tipo de situações? Sim aprende-se, mas as coisas levam tempo, e esse tempo obrigatoriamente tem de levar com ele a calma. Há que ser paciente, porque depois da ferida sarada (mas não da cicatriz desaparecida), a loucura volta a existir, a vontade e necessidade de amar também, e tudo volta a ser de novo um ciclo. Parece estranho mas é assim que é.
    (E isto na maior parte dos casos, claro)

    Abraço.

    ResponderEliminar
  3. Que bonito texto, como sempre querida (:
    É óptimo saber isso, a sério.

    ResponderEliminar
  4. Está lindo este texto*

    ResponderEliminar
  5. Quando não existe qualquer medo, talvez em certa defesa, a maior parte das pessoas o crie porque o verdadeiro medo aí já é de magoar o próximo com a sua incerteza ou não vontade de querer ter uma relação mesmo que o seu sentimento pretenda que de facto deveria de existir uma. Aí já depende de cada um.

    Só uma boa conversa com as perguntas certas e claro sem as respostas erradas, poderá chegar a uma conclusão bastante definida para ambas as partes (:

    ResponderEliminar
  6. Escreves tãaao bem :o

    ResponderEliminar
  7. "porquê que tens medo do amor?... porquê que te recusas a ser feliz quando as oportunidades estão todas à tua frente?"
    Estas duas frases, resumem a minha vida "amorosa"!

    Adorei o texto, ficou lindo :)

    ResponderEliminar
  8. Sim, imensa :x principalmente nas pernas :s

    ResponderEliminar
  9. o medo do amor é uma coisa que todos têm meu bem *

    ResponderEliminar
  10. estou a seguir, está lindo.

    ResponderEliminar
  11. Nessas situações essas "farsas" já servem de uma certa defesa.

    è a vida!

    ResponderEliminar
  12. é uma forte possibilidade!

    ResponderEliminar
  13. não fofinha, que eu saiba, não tenho alergia a nada :o

    ResponderEliminar
  14. acho que não baby :/ mas já está a passar :)

    ResponderEliminar
  15. Gostei bastante :3 continua a escrever assim ++

    ResponderEliminar
  16. Obrigada pela preocupação baby <3

    ResponderEliminar
  17. ohh, obrigada querida li *.*

    ResponderEliminar
  18. O amor é a melhor coisa do mundo, mas às vezes por motivos alheios a nós deixamos de acreditar e criamos uma barreira inderrubavel à nossa volta, passando assim o tempo todo a fugir, muitas vezes pelo medo de voltar a sofrer. Eu amei uma vez, consumio-me de tal forma que agora tenho medo de sair de coração partido e evito envolver me =/

    ResponderEliminar

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire