terça-feira, 14 de setembro de 2010

#11 LETTER TO A DECEASED PERSON YOU WISH YOU COLD TALK TO

Ao início não sabia se havia de lhe escrever ou não! Estive dias a pensar nesta carta sem sequer saber o que dizer-lhe, o que lhe contar. E senti-a durante esses dias todos comigo, sentia-a ao meu lado a dizer-me que não me preocupasse porque em breve alguma coisa me iria surgir e que ficaria contente que apenas lhe disse-se que tenho muitas saudades suas.
É verdade, tenho muitas! E imagino que todos aqueles que estavam habituados a tê-la todos os dias como um pilar e um apoio sentem milhões de saudades suas, muitas mais que eu! A verdade é que nunca convivi consigo muito tempo, nunca partilhei coisas consigo mas sinto-me como se me conhecesse e como se soubesse que gosto de si!
Acho que isto se deve ao seu filho. E apenas a ele.
Ele que deixou de ser um menino e passou a ser um Homem com um H muito grande! Está lindo, lindo como sempre foi. Com aquele jeito natural de encantar toda a gente, com o seu brilho nos olhos que toda a gente adora, com o seu modo de amar as pessoas e com aquele sorriso lindo que eu adoro! E acho que mais do que ninguém sabe disso! Sabe que ele está cada vez mais parecido consigo, cada vez mais. E é tão bom olhar para ele e ver isso, tão bom.
As saudades ficam mais quentes e tornam-se menos duras quando o faço, mas nunca me deixo de lembrar de si quando o vejo! Nunca!
Queria com esta carta, voltar a dizer-lhe que gosto muito de si e que tenho saudades de ouvir a sua voz ao telemóvel! Tenho saudades das suas gargalhadas e de a ouvir fazer perguntas ao seu filho enquanto eu falava com ele!
E enquanto relembro isto, tenho um sorriso na cara e uma lágrima colada na face porque as saudades são muitas, realmente são muitas.
Mas sei que onde está, estará bem e está sem dúvida a cuidar de nós como se estivesse aqui! Eu sinto isso, eu sei isso!
Continue a fazê-lo nós precisamos e eu preciso muito!
Despeço-me com um enorme beijinho de saudade e com o maior orgulho na sua força enquanto estive de corpo connosco!
Da sua e sempre sua, lili ~


8 comentários:

Posso não concordar com nenhuma das palavras que tu disseres, mas defenderei até à morte o direito de tu as dizeres.
Voltaire